Mielopatia cervical (MPC)

A MPC é uma doença degenerativa, está relacionada ao envelhecimento e é secundária a um estreitamento do canal vertebral onde passa a medula cervical com compressão deste segmento da medula. A compressão pode ser por fragmentos de hérnias de disco, por espessamento dos ligamentos próximo a medula, hipertrofia das articulações das vértebras (articulações facetárias), e por osteófitos (bicos de papagaio).

Os seus principais sintomas são rigidez e dores no pescoço, problemas de equilíbrio, fraqueza e adormecimento das mãos, braços e pernas, perda sensorial, reflexos e, em alguns casos, incontinência urinária.

O diagnóstico da doença pode ser realizado através do exame clínico e confirmado pelos exames de imagem. Destes, o mais importante é a ressonância magnética. Exames de Rx, tomografia e exames neurofisiológicos que avaliam o comprometimento da medula, também sao importantes, principalmente para a avaliação pré-operatória. O tratamento da Mielopatia Cervical pode ser de dois tipos: conservador e cirúrgico. O primeiro baseia-se em medicamentos, fisioterapia e as vezes, imobilização externa que visam a redução da dor e da inflamação, sendo voltado aos pacientes que não apresentam sintomas de lesão medular (quadros iniciais)

Já o tratamento cirúrgico é indicado para os casos em que haja sintomas de lesão medular.

Existem diversas técnicas de tratamento cirúrgico entre as habituais e as técnicas minimamente invasivas. Independente da técnica o objetivo é sempre o mesmo visa a descompressão da medula (remoção de hérnias de disco, ligamentos e fragmentos ósseos) e quando necessário a estabilização da coluna com parafusos e hastes de titânio.

GUIA DO PACIENTE

Cada indivíduo manifesta sintomas de doenças e responde a tratamentos de uma forma, mas todos possuem muitas dúvidas. Por isso, preparei um Guia do Paciente para orientar acerca de patologias e tratamentos.